Nesta quarta, dia 22/02, a Agência Espacial Americana (Nasa) anunciou a descoberta de um sistema solar com sete planetas como a Terra, a 40 anos-luz de distância.

A façanha foi resultado da parceria entre astrônomos de todo o mundo, usando telescópios da Nasa e do ESO (Observatório Europeu do Sul).

A estrela anã que fica no centro desse sistema estelar, como se fosse o nosso Sol, é chamada de TRAPPIST-1, e é um pouco maior que Júpiter (o planeta é cerca de 12 vezes maior que a Terra). Um dos autores da pesquisa, Michael Gilion, explica que se o nosso Sol fosse do tamanho de uma bola de basquete, a TRAPPIST-1 seria uma bola de golfe.

Créditos: NASA/JPL-CALTECH

Ilustração mostra como deve ser o sistema planetário de TRAPPIST-1

Os cientistas revelaram que em três destes planetas há grande potencial de existência de água. Para a astrônoma Sara Seager, professora do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT, sigla em inglês), "essa descoberta gerou grandes avanços para encontrar vidas extraterrestres".

Créditos: NASA/JPL-CALTECH

Concepção artística da superfície de um dos exoplanetas

É bem provável que não estaremos mais vivos quando os astronautas conseguirem chegar até os planetas, mas os pesquisadores prometem mais novidades sobre o sistema em apenas cinco anos.

Com ElPaís